PIB do 1º trimestre nos EUA sobe muito, mas o diabo mora nos detalhes

Investing.com – O crescimento do PIB dos EUA surpreendeu o mercado ao acelerar no primeiro trimestre, contrariando uma expectativa generalizada de redução no ritmo em meio a guerra comercial e a paralisação do governo com a disputa sobre o muro na fronteira com o México.

PIB avançou para uma taxa anual ajustada sazonalmente de 3,2% nos primeiros três meses de 2019, contra expectativas de uma leitura de 2%, mediana do mercado. O ritmo também superou o último trimestre de 2018, quando a economia cresceu a uma taxa de 2,2%.

A forte expansão foi impulsionada pela formação de estoques e diminuição do déficit comercial, que compensaram uma desaceleração nos gastos dos consumidores.

O número do primeiro trimestre surpreendeu ao ficar acima da estimativa mais alta entre analistas consultados pela Bloomberg. O mais otimista apostava em um crescimento de 2,9%

O maior ceticismo dos analistas do mercado tinha como base a intensa guerra comercial travada pelos EUA com a China, somada à mais longa paralisação da história do governo. A disputa entre Trump e o Congresso pela obtenção de fundos para a construção de um muro na fronteira com o México, uma das principais promessas da campanha, durou 35 dias, entre 22 de dezembro e 25 de janeiro.

Ceticismo permanece

dólar operava em ligeira queda com o resultado do PIB e os rendimentos dos títulos do Tesouro norte-americano caíram conforme os analistas argumentaram que o crescimento pode não durar.

Megan Greene, economista-chefe da Manulife/John Hancock Asset Management, disse via Twitter (veja o mesmo mais abaixo):

“A impressão do PIB do 1° tri é que vai durar… Até que se olhe sob o capô e se calibre os pneus”.

Ela argumentou que a formação de estoques “terá que ser desfeito“, atrapalhando o crescimento futuro, enquanto os gastos do governo fora do setor de defesa forem fracos.

Uma virada na tendência?

Antes da publicação desta sexta-feira, o crescimento vinha desacelerando constantemente na economia dos EUA desde o pico de 4,2% no segundo trimestre de 2018.

Juntamente com as perspectivas mais pessimistas para a economia global e a inflação moderada, o Federal Reserve optou por fazer uma pausa no aperto de políticas em janeiro.

Os formuladores de políticas devem se reunir na semana que vem e os mercados não esperam nenhuma mudança nas taxas de juros oficiais. Mas os mercados financeiros têm uma chance de mais de 50% de que o Fed de fato reduza as taxas até o final do ano, mesmo após a divulgação dos dados.

Para alguns, no entanto, isso foi um passo longe demais.

Marc Ostwald, estrategista da ADM ISI, disse:

“O ponto mais simples é que isso nem sequer é o caso de um corte na taxa do Fed”.

Fontes: Portais Investing.com, Spacemoney e Infomoney

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.